ALDANN CONSTRUÇÕES

ALDANN CONSTRUÇÕES
TEL: (84) 4008-3800

domingo, 27 de março de 2011

NÚMERO DE MORTOS APÓS TERREMOTO EM MIANMAR CHEGA A PELO MENOS 75

Terra Notícias

  O terremoto de 6,8 graus que afetou o leste de Mianmar na quinta-feira à noite deixou pelo menos 75 mortos e 110 feridos, segundo o balanço mais recente do governo, que teme um número de vítimas ainda maior, já que as equipes de socorro não conseguiram chegar a todas as áreas afetadas.
   O terremoto aconteceu em pleno triângulo de ouro, entre Mianmar, Tailândia e Laos, uma zona montanhosa de difícil acesso mas onde existe um comércio ativo entre os três países.
  O tremor foi particularmente violento nos vilarejos situados entre as cidades de Tashilek e Kentung, onde foram registradas todas as vítimas birmanesas até o momento e de onde chegam poucas informações.
   Outras áreas muito afetadas Tarlay e Mine Lin.
   "As estradas estão fechadas. Segundo nossas informações, mais de 130 edifícios desabaram", declarou uma fonte do governo que pediu anonimato.
   Do lado tailandês, uma mulher de 52 anos morreu no distrito de Mae Sai, perto da fronteira.
   O epicentro do tremor, que aconteceu a 10 km de profundidade, foi localizado pelo Instituto Geofísico dos Estados Unidos (USGS) perto das fronteiras com Tailândia e Laos, 90 km ao norte de Chiang Rai e a 235 km de Chiang Mai (nordeste da Tailândia).

O TRABALHO INFANTIL

  Em países pobres - e também no Brasil - uma triste realidade se impõe a uma grande parcela das crianças: a utilização em larga escala da famigerada e barata mão de obra infantil.
  Nas zonas urbanas, o número de crianças que trabalham com idade entre 10 e 14 anos é bastante elevado; porém, a maioria não recebem salários, pois são vendedores ambulantes, engraxates, guardadores de carros, flanelinhas, dentre outras.
  Apesar da nossa Constituição proibir o trabalho de menores de 16 anos - exceção feita aos menores dentre 14 e 16 anos, na condição de aprendizes -, esse preceito constitucional não é respeitado. As crianças que trabalham, normalmente abandonam a escola ou têm o rendimento escolar muito prejudicado, afetando a eventual possibilidade de obterem uma melhor qualificação profissional, o que lhes permitiria no futuro, almejar melhores condições no mercado de trabalho.
  Numa sociedade como a nossa, com uma enorme concentração de renda e grandes disparidades socioeconômicas, o trabalho infantil aparece como a principal saída para aumentar os ganhos das famílias de baixa renda.
  Segundo o IBGE, a situação de grande parte das crianças brasileiras é, no mínimo, muito difícil, pois cerca de 27% delas pertencem a lares onde as famílias sobrevivem com uma renda mensal inferior a um salário mínimo e 21% delas têm pais analfabetos.
  No Brasil, mais de 4 milhões de jovens entre 15 e 17 anos, trabalham pelo menos 40 horas semanais. Milhares deles trabalham na economia informal.
  Apesar disso, os números mostram que esses dados vêm caindo nos últimos anos, graças a uma maior fiscalização e a criação de programas sociais como o Bolsa Escola e o Bolsa Família.
  A Organização Internacional do Trabalho (OIT), vem desenvolvendo campanhas no âmbito mundial pela não-utilização da mão de obra infantil nos países pobres. Uma das formas que as nações ricas têm de pressionar os países que se recusam a deixar de usar mão de obra infantil, é proibir a importação de produtos que, de alguma forma, incorporem o trabalho de crianças.
  Em junho de 2005, o Brasil reafirmou à Organização Internacional do Trabalho, que menores de 16 anos estão proibidos de trabalharem no país, exceto na condição de aprendizes a partir dos 14 anos.
  A Fundação ABRINQ, confere um selo às empresas que não utilizam mão de obra infantil, e as identifica como "Empresa Amiga da Criança".
  Portanto, vamos proibir o trabalho infantil, pois lugar de criança é na escola.

A AGENDA HABITAT

  A Convenção da ONU para as cidades, chama-se Agenda Habitat e reúne 100 compromissos e 600 recomendações.
  O documento tem como base procurar cumprir o que está definido nas seguintes convenções:
  • Declaração Universal dos Direitos Humanos;
  • Convenção Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais;
  • Convenção para eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial;
  • Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher;
  • Convenção dos Direitos da Criança.
  A UN Habitat estabeleceu três metas prioritárias, as quais os participantes estão tentando cumprir, dentro da agenda de Metas do Milênio da ONU, nesta ordem:
  • Primeira Meta: Objetivo 11 do Milênio - Melhorar a vida de pelo menos 100 milhões de favelados até 2020.







    • Segunda Meta: Objetivo 7 do Milênio - Deter a propagação do HIV/Aids e reverter a tendência de contaminações até 2015.
    • Terceira Meta: Objetivo 10 - Reduzir pela metade a parcela da população mundial sem acesso permanente à água limpa.

    CONVENÇÃO DE BASILÉIA

    Convenção de Basileia para o Controle dos Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e sua Disposição
      Criada em 1988 e entrou em vigor em maio de 1992, foi uma conferência promovida pelo PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), a Convenção de Basileia, ocorreu na cidade suiça de Basileia e foi estabelecida como um meio de acabar com a covarde destinação dos resíduos perigosos dos países industrializados, principalmente os pertencentes a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), como os EUA, o Canadá, a Europa Ocidental e o Japão, aos países em desenvolvimento, como os africanos e o Haiti, ou mesmo para a Antártida e países da Europa Oriental, causando inúmeros danos ambientais, em sua maioria irreversíveis.
     
      Quase sempre os países de destino sequer sabiam do transporte de tais resíduos para seus territórios. Assim, os danos causados por tal destinação eram enormes, uma vez que os receptores, quando ficavam sabendo do ocorrido, nem sempre possuíam condições adequadas para receber, tratar ou armazenar estes resíduos que eram dispostos de qualquer forma e em qualquer lugar, intoxicando populações e contaminando rios, lagos, solos e ar.
      A Convenção de Basileia, permite a concessão prévia de modo e explícita de importação e exportação dos resíduos autorizados entre os países de modo a evitar o tráfico ilícito. 
      O Brasil ratificou a convenção em 1993, proibindo a importação e exportação de resíduos perigosos sem consentimento.
      A preocupação com a ordem ambiental internacional, e por conseguinte a ordem interncaional de resíduos, surgiu em busca de dois horizontes: a escassez de recursos naturais e a ameaça de sgurança, impossibilitando o uso desigual e a continuidade de vida na Terra.

    terça-feira, 22 de março de 2011

    UNASUL

     Unasul (União das Nações Sul-Americanas) é uma comunidade formada por doze países sul-americanos. Fazem parte os seguintes países: Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Colômbia, Chile, Bolívia, Peru, Equador, Suriname e Guiana.
      Em 8 de dezembro de 2004, na cidade de Cuzco, Peru, foi realizada a Terceira Reunião de Presidentes da América do Sul, onde foi redigido o documento Declaração de Cuzco, que criou as bases para a Unasul. O projeto ganhou o nome de Casa (Comunidade Sul-Americana de Nações). Em 2007, durante a Primeira Reunião Energética da América do Sul, realizada na Venezuela, o nome foi modificado para Unasul.
      O objetivo principal da Unasul é propiciar a integração entre os países da América do Sul. Essa integração ocorrerá nas áreas econômica, social e política. Dentro deste objetivo, espera-se uma coordenação e cooperação maior nos segmentos de educação, cultura, infraestrutura, energia, ciências e finanças.
    Em 23 de maio de 2008, em Brasília, representantes dos doze países assinaram um tratado para a criação da Unasul, onde, por meio desse tratado, a Unasul passou a ser um organismo internacional, deixando a fase de debates para entrar na criação prática de medidas. Este tratado ainda precisa ser ratificado pelos congressos dos países membros.
      A Unasul terá três órgãos deliberativos: conselho de Chefes de Estado e de Governo, Conselho de Ministros de Relações Exteriores e Conselho de Delegados.
      As reuniões de chefes de Estados e de Governo ocorrem uma vez por ano. Os encontros do Conselho de Ministros de Relações Exteriores ocorrem semestralmente.

    sábado, 19 de março de 2011

    ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO DE XANGAI (OCX)

      A Organização para Cooperação de Xangai (OCX), é uma aliança que começou a tomar forma em 1996, quando chefes de estado da China, da Rússia, do Cazaquistão, do Quirguistão e do Tadjiquistão se reuniram em Xangai, na China, para discutir problemas fronteiriços. Desde então, esses países, conhecidos como os "cinco de Xangai", organizaram uma agenda anual de encontros, para colaborarem nos campos da segurança regional, da economia e da política.
      Em 2001, os "cinco de Xangai" e o Uzbequistão criaram a OCX, que passou a atuar também na luta contra o terrorismo e o separatismo. Em 2004 a Mongólia foi admitida como observador da OCX e, em 2005, o Paquistão, a Índia e o Irã. Os Estados Unidos também pediram para se tornar observadores, mas foram rejeitados. Desde 2005, as ações da OCX incluem a realização de exercícios militares conjuntos entre a China e a Rússia, inclusive nos territórios dos demais países membros.
      Em 2010, Belarus e Sri Lanka, passaram a dialogar com o grupo.
    Fonte: ARAUJO, Regina
    Observatório de geografia: 9° ano: territórios da globalização/ Regina Araujo, angela Corrêa da Silva, Raul Borges Guimarães. São Paulo: Moderna, 2009.

    ÍNDIA: MODERNIDADE E TRADIÇÃO

      Em Planeta Índia, Mira Kamdar afirma que, enquanto os EUA e a Europa levaram três séculos para passar pelas três revoluções industriais (a da manufatura, a dos serviços e a digital), na Índia elas estão ocorrendo simultaneamente, o que explica o acelerado crescimento econômico das últimas décadas do país. Apesar disso, a Índia é majoritariamente rural, e uma parcela importante da população vive em condições de pobreza extrema.
    Veja abaixo alguns números da Índia:
    Índia: desenvolvimento tecnológico e exclusão social
    1° lugar em exportação de software.
    1° lugar mundial em oferta de programadores de computador.
    Produz o Nano, o automóvel mais barato do mundo (U$ 1.919).
    Maior número de call centers do mundo.
    Possui tecnologia para fabricação de armas atômicas desde 1974.
    1° lugar mundial em número de doutores.
    2° lugar mundial em número de pós-doutores (depois dos EUA).
    Maior indústria cinematográfica do mundo: média de mil filmes produzido por ano em 16 idiomas.
    Apenas 5,44% da população tem acesso à Internet.
    Crescimento vegetativo de 1,62%.
    71,3% da população vive na área rural.
    20% da população é subnutrida.
    41% da população é analfabeta.
    Maior "fuga de cérebros": 4 milhões de trabalhadores especializados em alta tecnologia trabalham fora do país.
    28% da população(300 milhões de habitantes) vive abaixo da linha de pobreza.
    Metade das mulheres adultas sofrem de anemia.
    A economia indiana
      Em 1970, a economia indiana era basicamente rural e apresentava um crescimento médio de 3% anuais, ao passo que a população crescia 2,6% ao ano. A Índiaera vista como um país pobre, de economia fechada, no qual a maior parte da população vivia em aldeias rurais arcaicas.
      Em meados dos anos 1980, o governo tomou algumas medidas para modernizar a economia indiana, facilitando a abertura de empresas voltadas ao mercado externo. Na década de 1990, as reformas se consolidaram, dando início a um processo de maior integração com a economia mundial.
      As mudanças provocaram a elevação do Produto Interno Bruto (PIB) e das exportações. entre 1990 e 2006, o crescimento econômico anual da Índia saltou de 6% para 9%. A economia diversificou-se, acentuando os contrastes entre regiões dominadas pela lavoura de aldeia e pelo artesanato e as que abrigam práticas agrícolas modernas e polos de alta tecnologia. A maior expansão ocorreu no setor de serviços, alicerçadas pelas empresas de call center e pelas empresas de Tecnologia de Informação (TI).
      Em 2003, economistas do banco de investimentos Goldman Sachs criaram a sigla BRIC para designar o grupo de países formado por Brasil, Rússia, Índia e China, que então despontavam como potências econômicas emergentes.
      A Índia ocupa um lugar especial entre os BRIC. O país abriga a maior classe média do mundo, estimada em cerca de 250 milhões de habitantes, o que lhe garante importante mercado consumidor interno. Além disso, vem investindo cada vez mais em formação de pessoal de nível superior, atraindo empresas de alta tecnologia voltadas para a informática e para biotecnologias.
    Fonte: ARAUJO, Regina
    Observatório de geografia: 9° ano: territórios da globalização/Regina Araujo, Angela Corrêa da Silva, Raul Borges Guimarães. São Paulo: Moderna, 2009. 

    sexta-feira, 18 de março de 2011

    CORRIDA CONTRA O TEMPO PARA RESFRIAR REATORES DE CENTRAL NUCLEAR

    Notícias Terra
      O Japão lutava nesta quinta-feira por todos os meios para tentar resfriar os reatores da central nuclear de Fukushima, mas o pessimismo é cada vez maior no mundo, em meio a uma fuga em massa de estrangeiros de Tóquio.
    O balanço oficial do terremoto e tsunami, seis dias depois da catástrofe, chegou a 5.500. Mas apenas na cidade de Ishinomaki, o número de desaparecidos alcança 10.000 pessoas, segundo autoridades locais. As buscas prosseguiam em meio à neve e ao frio.
    O número de feridos é de mais de 3000, enquanto mais de 88.000 casas e edifícios foram destruídos, total ou parcialmente.
    As autoridades nipônicas também precisam enfrentar a crescente impaciência de 500.000 desabrigados, ante a escassez de água potável e alimentos, apesar da mobilização sem precedentes de 80.000 soldados, policiais e socorristas no devastado nordeste.
    Nesta quinta-feira, pela primeira vez, quatro helicópteros do Exército japonês conseguiram lançar toneladas de jatos d''água sobre os reatores mais danificados, especialmente o número 3. Cinco caminhões-tanque especiais do Exército entraram em ação no final do dia.
    O objetivo era fundamentalmente encher a piscina de armazenamento de combustível recicladoo que foi avariada por uma explosão e uma série de incêndios.
    A empresa Tokyo Electric Power (Tepco) informou que não tinha condições de determinar a quantidade de água que entrou na piscina, já que os funcionários não conseguiam observar o local.
    Especialistas estrangeiros consideram que a piscina do reator 4 está praticamente seca, o que pode provocar níveis "extremamente elevados" de radiação, segundo o presidente da Autoridade Americana de Regulamentação Nuclear (NRC), Gregory Jaczko.
    A fusão do combustível pode provocar a emanação de partículas radioativas, provocando assim uma catástrofe como a de Chernobyl.
    Os funcionários da Tepco, que opera a central de Fukushima, ajudados por bombeiros e policiais, pretendiam alcançar a piscina com a ajuda de um caminhão-tanque equipado com um canhão d''água. Mas, segundo a televisão pública NHK, isto não foi possível devido ao nível elevado de radiação.
    A Tepco espera restabelecer nas próximas horas a corrente de energia elétrica da central nuclear de Fukushima, o que permitiria ativar as bombas para resfriar os reatores e encher as piscinas.
    Os sistemas de resfriamento falharam na sexta-feira, depois do terremoto de 9 graus de magnitude, o mais forte da história do Japão, seguido por um tsunami que devastou a costa nordeste do país.
    O presidente americano Barack Obama ofereceu enviar mais especialistas nucleares ao Japão, em uma conversa telefônica com o primeiro-ministro japonês, Naoto Kan. A França também propôs uma cooperação.
    O Instituto Francês de Radioproteção e Segurança Nuclear (IRSN) afirmou na quarta-feira que as 48 horas seguintes seriam cruciais.
    Diante da ameaça de um acidente nuclear de grandes proporções, muitas embaixadas recomendaram a seus cidadãos que se afastassem da região, segguido para o sul, na área de Osaka, ou que deixem o Japão.
    Grã-Bretanha, Alemanha, Suíça, Itália e Austrália também aconselharam seus cidadãos a deixar o norte e a região de Tóquio. França, Bélgica e Rússia enviaram aviões para retirar as pessoas que desejam deixar o Japão.
    O governo da China pediu às autoridades nipônicas informações "pontuais e precisas" para acalmar a opinião pública preocupada com a eventual chegada ao país de emissões radioativas.
    A embaixada americana estabeleceu uma zona de risco de 80 km ao redor da central nuclear.
    As autoridades japonesas fixaram até o momento um perímetro de segurança de 30 km, e o governo afirmou que as radiações além da zona de exclusão de 20 km "não representam perigo imediato para a saúde".
    Por precaução, 10.000 pessoas do município de Fukushima estão sendo submetidas a testes de radioatividade em 26 centros médicos.
    Enquanto no exterior reina uma inquietação que se aproxima do pânico, a população nipônica, sobretudo em Tóquio, mostra-se surpreendentemente serena e disciplinada, à espera de novas instruções do governo.
    Os ventos provavelmente continuarão sendo favoráveis nas próximas horas, empurrando para o Oceano Pacífico os resíduos radioativos da central nuclear.
    Um frio intenso e as nevascas reduziram ainda mais as condições de vida e de trabalho para os 500.000 desabrigados do terremoto e do tsunami e dos 80.000 socorristas mobilizados no nordeste.
    Para piorar a situação, um corte de energia elétrica em grande escala pode afetar a região leste do país caso o consumo não seja reduzido, advertiu o ministério da Indústria.
    No campo econômico, o iene atingiu um novo recorde desde a Segunda Guerra Mundial na comparação com o dólar. Os investidores especulam sobre uma eventual repatriação em massa de fundos pelas seguradoras japonesas.

    segunda-feira, 14 de março de 2011

    CHUVA ÁCIDA

      A queima de carvão e de combustíveis fósseis e os poluentes industriais lançam dióxido de enxofre e de nitrogênio na atmosfera. Esses gases combinam-se com o hidrogênio presente na atmosfera sob a forma de vapor de água. O resultado são as chuvas ácidas. As águas da chuva, assim como a geada, neve e neblina, ficam carregadas de ácido sulfúrico ou ácido nítrico. Ao caírem na superfície, alteram a composição química do solo e das águas, atingem as cadeias alimentares, destroem florestas e lavouras, atacam estruturas metálicas, monumentos e edificações.
        O gás carbônico (CO2) expelido pela nossa respiração é consumido, em parte, pelos vegetais, plâncton e fitoplâncton e o restante permanece na atmosfera.
        Hoje em dia, a concentração de CO2 no ar atmosférico tem se tornado cada vez maior, devido ao grande aumento da queima de combustíveis contendo carbono na sua constituição. A queima do carbono pode ser representada pela equação:
    C + O2   --->  CO2
      Tanto o gás carbônico como outros óxidos ácidos, por exemplo, SO2 e NOx, são encontrados na atmosfera e as suas quantidades crescentes são um fator de preocupação para os seres humanos, pois causam, entre outras coisas, as chuvas ácidas.
      O termo chuva ácida foi usado pela primeira vez por Robert Angus Smith, químico e climatologista inglês. Ele usou a expressão para descrever a preciptação ácida que ocorreu sobre a cidade de Manchester no início da Revolução Industrial. Com o desenvolvimento e avanço industrial, os problemas inerentes às chuvas ácidas têm se tornado cada vez mais sérios.
      Um dos problemas das chuvas ácidas é o fato destas poderem ser transportadas através de grandes distâncias, podendo vir a cair em locais onde não há queima de combustíveis.
    PREJUÍZOS PARA O HOMEM
    Saúde: A chuva ácida libera metais tóxicos que estavam no solo. Esses metais podem alcançar rios e serem utilizados pelo homem causando sérios problemas de saúde.
    Prédios, casas, arquiteturas: A chuva ácida também ajuda a corroer os materiais usados nas construções como casas, edifícios e arquitetura, destruindo represas, turbinas hidrelétricas etc.
    PREJUÍZOS PARA O MEIO AMBIENTE
    Lagos: Os lagos podem ser os mais prejudicados com o efeito da chuva ácida, pois podem ficar totalmente acidificados perdendo toda a sua vida.
    Desmatamentos: A chuva ácida faz clareiras, matando duas ou três árvores. Imagine uma floresta com muitas árvores utilizando mutuamente, agora duas árvores são atingidas pela chuva ácida e morrem e assim vão indo até formar uma clareira. Essas reações podem destruir florestas.

    Agricultura: A chuva ácida afeta as plantações quase do mesmo jeito que das florestas, só que é destruída mais rápido já que as plantas são do mesmo tamanho, tendo assim mais áreas atingidas.
    Como evitar a Chuva Ácida:
    - Conservar energia
    - Transporte coletivo
    - Utilização do metrô
    - Utilizar fontes de energia menos poluentes
    - Purificação dos escapamentos dos veículos
    - Utilizar combustíveis com baixo teor de enxofre.






    sábado, 12 de março de 2011

    QUATRO CIVIS MORREM NOS CONFRONTOS NA COSTA DO MARFIM

      Três homens e uma mulher morreram durante uma manifestação na Costa do Marfim. As vítimas foram baleadas pelas forças de segurança. Os confrontos ocorreram no bairro de Treichville, em Abidjan.
      Centenas de pessoas, maioritariamente mulheres, participavam numa marcha a favor de Alassane Outtara, o presidente eleito do país.
      Uma das manifestantes envia uma mensagem a Gbabo, o ex-presidente, e a Alassane Outare, diz que não votou para isto. Remata dizendo que “se sabiam que as eleições podiam acabar assim não valia a pena. “As bancas no mercado estão fechadas e não podem continuar assim”, refere.
      Desde as eleições presidenciais, que deram a vitória a Outtara que o país está em situação delicada. A Costa do Marfim está na iminência de uma guerra civil.
      Na quinta-feira, cerca de dez pessoas foram mortas na sequência de um protesto.

    ENTENDA O TERREMOTO QUE ATINGIU O JAPÃO

    Tremor de 8,9 de magnitude ocorreu às 14h46 no horário local. Tsunami atingiu a maior ilha do arquipélago japonês.

    Do G1, em São Paulo
    Às 14h46 (horário local; 2h46 em Brasília) desta sexta-feira (11) um terremoto de 8,9 graus de magnitude atingiu o arquipélago do Japão. Foi o mais forte terremoto registrado no Japão e o sétimo na história do mundo.

    Nível de radioatividade diminui após acidente nuclear, diz Japão

    Níveis de radioatividade vem diminuindo, informou governo à AIEA. Usina foi danificada por conta do tremor de magnitude 8,9 na véspera.

       O governo do Japão informou à Ageência Internacional de Energia Atômica  das Nações Unidas que houve um início de aumento da radioatividade após o  acidente na central de Fukushima, no nordeste do país, neste sábado (12), mas que os níveis "vem diminuindo nas últimas horas".
       De acordo com a AIEA, autoridades japonesas informaram que a explosão na central nuclear de Fukushima ocorreu fora da área de conteção primária. "A empresa que opera a unidade, Tokyo Eletric Power, confirmou que a área de contenção está intacta", diz um comunicado.
    Imagem do momento da explosão do reator nuclear em Fukushima - Japão. Foto: Globo
       O acidente nuclear ocorrido neste sábado (12) na central de Fukushima 1, no nordeste do Japão, foi avaliado no nível 4 numa escala que vai até 7, segundo a Agência de Segurança Nuclear e Industrial do Japão.
      A explosão na usina foi decorrência do forte rerremoto de magnitude 8,9 que atingiu a costa do país na véspera, gerando um tsunami devastador e mais de cem fortes réplicas.
    Tsunami atingindo o Japão. Foto: Record
       A preocupação em relação à possibilidade de contaminação nuclear persiste, apesar de o governo japonês ter tranquilizado a população em relação às consequências do desastre.
       De acordo com a AIEA, o governo do Japão eu início à retirada de cerca de 140 mil pessoas da área próxima à usina. Estima-se que 110 mil pessoas já deixaram a área num raio de 20 km próxima a uma das usinas.
       A explosão que fez com que parte do prédio que comporta o reator número 1 derretesse. No entanto, o governo afirmou que o exterior do reator não foi danificado e pediu que a população local mantenha a calma.
       Ainda assim, as autoridades ordenaram a retirada dos habitantes a um raio de 20 km da usina.
       O porta-voz do Estado, Yukio Edano, acrescentou que a radiação no local havia "diminuído bastante" após a explosão.
    Mortos
       A polícia do Japão elevou neste sábado (12) para 637 o número de mortos vítimas do terremoto de magnitude 8,9 que abalou a coista nordeste do país na véspera, gerando um devastador tsunami, que varreu partes da costa da ilha de Honshu. Também há 653 desaparecidos e 1.040 feridos. O  número de vítimas, porém, ainda não é definitivo e pode, de acordo com estimativa do próprio governo, superar os mil mortos. A agência Kyodo fala em 1.700 mortos.
    Militares encontraram entre 300 e 400 corpos no porto de Rikuzentakata, informou o Exército neste sábado. Em outra cidade portuária, Minamisanriku, havia cerca de 10 mil desaparecidos, segundo a TV local.
       O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, informou que 50 mil militares se dedicarão aos trabalhos de resgate nas províncias afetadas do nordeste do país.
       Cerca de 190 aviões e 25 navios já foram destacados para as tarefas de busca, nas quais forças americanas colaborarão com seus navios para o transporte de efetivos do Exército japonês.
       Na província oriental de Iwate, algumas cidades foram varridas do mapa pelo tsunami originado pelo tremor.
    Em Sendai, cidade com 1 milhão de habitantes que é capital da província de Miyagi, entre 200 e 300 pessoas se afogaram devido ao tsunami, e seus corpos estavam sendo recuperados, segundo a polícia local.
       Segundo a "Kyodo", há pelo menos 3.400 edifícios destruídos no Japão devido ao terremoto, que causou ainda pelo menos 200 incêndios no território japonês.
    Sétimo pior da história
    O tremor foi o 7° pior na história, segundo a agência americana, e também o pior já registrado no Japão.
       Houve um alerta de tsunami para diversos países da costa do Oceano Pacífico, mas a chegada das ondas a estes locais causou apenas danos menores, e o alerta foi cancelado. Milhares de moradores foram retirados por precaução.
    Entenda como ocorrem os terremotos
     

      No início do século XX, um jovem meteorologista alemão, Alfred Wegener, levantou uma hipótese que criou celeuma e foi rejeitada pela comunidade científica da época: "há 200 milhões de anos, os continentes formavam uma só massa, que foi denominada de Pangeia, que em grego quer dizer toda a terra, rodeada por um oceano contínuo chamado Pantalassa.
    Imagem da Pangeia. Fonte: brasilescola.com
      Essa grande massa se partiu, formando dois blocos - Laurásia e Gondwana -que se separaram vagarosamente, deslizando sobre um subsolo oceânico de basalto. Após centenas de milhares de anos, os continentes chegaram às posições que conhecemos hoje".
    Movimentos dos continentes até os dias atuais. Fonte: brasilescola.com
       A teoria de Wegener baseou-se nos contornos da costa africana e brasileira, que pareciam encaixar-se perfeitamente, remetendo a uma possível união das áreas continentais num passado muito remoto.
      Essa teoria ficou conhecida como "Deriva Continental", que depois passou a se chamar de "Teoria da Tectônica de Placas". Segundo essa teoria as placas litosféricas deslizam e às vezes colidem entre si em uma velocidade que oscila entre 1 e 10 cm/ano.
    Perfil esquemático das placas tectônicas. Fonte: Wikipédia
      Uma placa tectônica é uma porção de litosfera limitada por zonas de convergência, zonas de subducção e zonas conservativas, que realizam quatro movimentos principais que são:
    a) Movimento de Convergência: ocorre quando duas placas se chocam e a borda de uma fica debaixo da outra até chegar ao manto.
    b) Movimento de afastamento:  consiste no distanciamento entre duas placas, formando uma lacuna que é preenchida com fragmentos de rochas oriundas do manto em estado líquido. 
    c) Movimento de colisão e soerguimento: corresponde ao choque entre duas placas litosféricas, as camadas de rochas elásticas dão origem às cadeias de montanhas, em diversas vezes vulcânicas, com essa característica de formação temos as cordilheiras dos Andes e o Himalaia. 
     Himalaia - exemplo típico de uma cordilheira ocasionada pelo movimento de soerguimento. Fonte: Google images
     d) Movimento de deslizamento: é responsável, em certos casos, pelos abalos sísmicos, ocorre pelo fato de uma placa se locomover sobre a outra.
      O Japão é uma área de intenso processo de tectonismo porque se encontra na região denominada de Círculo de Fogo do Pacífico, região onde há a maior incidência de processos tectônicos devido aos constantes choques entre as placas tectônicas.