ALDANN CONSTRUÇÕES

ALDANN CONSTRUÇÕES
TEL: (84) 4008-3800

terça-feira, 24 de maio de 2011

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE NOVOS ESTADOS

  As novas unidades federativas do Brasil estão em dicussão e em diferentes estágios de aprovação no Congresso Nacional. Chegou a ser proposta oficialmente a criação de 18 novos estados e 3 novos territórios federais, o que elevaria o total de unidades da federação para 48. A região com o maior número de unidades federativas seria a região Norte, enquanto a região Sul seria a única sem uma única unidade federativa nova. Os estados com estágio de criação mais avançados são Gurgueia e Maranhão do Sul, ambos na região Nordeste, e Carajás e Tapajós, na região Norte. Estes últimos já foram aprovados a realização dos plebiscitos para saber se a população aprova ou não a criação desses estados.
Congresso Nacional
  Com vistas a organizar e acelerar o debate e trâmites no Congresso, foi instalada no ano de 2003, a Frente Parlamentar sobre a Criação de Novos Estados e Territórios, por iniciativa dos deputados federais Ronaldo Dimas (PSDB - TO) e Sebastião Madeira (PSDB - MA). Segundo a proposta, esse seria um mecanismo para conduzir a redivisão territorial do País como forma de reduzir as desigualdades socioeconômicas e favorecer o desenvolvimento das regiões menos assistidas pelo Poder Público. A ideia é seguir o exemplo bem sucedido do estado de Tocantins.
Tocantins - estado mais novo da Federação
  Os projetos da região Norte também foram submetidos à Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional (CAINDR). Caso os projetos sejam aprovados, o passo seguinte é conduzir um plebiscito junto aos moradores de cada estado, com a coordenação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Havendo aprovação nas urnas, a proposta é encaminhada ao Palácio do Planalto, para que a Presidência da República envie ao Congresso um projeto de lei complementar propondo a criação da nova unidade. Os argumentos desfavoráveis à criação de novas unidades se concentram nos altos custos e, segundo o artifício tem motivações políticas. O Tocantins, na época da sua criação, onerou aos cofres públicos nacionais, cerca de R$ 1,2 bilhão.
  Caso todas as novas unidades sejam aprovadas, o custo total pode chegar a R$ 20 bilhões. Os gastos são gerados pela instalação de uma sede de governo, uma assembleia legislativa, secretarias estaduais, entre outros.
Palácio Araguaia - sede do governo de Tocantins
   Além do custo de instalação, também cria-se um gasto anual entre salários e custeio que chegam a R$ 30 milhões para cada novo estado. Os senadores de cada unidade também teriam um custo adicional de R$ 150 mil só em salários anuais.
  Veja abaixo como se deu o processo de divisão do Brasil em estados durante a sua história.
COLÔNIA E IMPÉRIO
  O conceito de criação de novas unidades da federação não é novo. Desde que os portugueses invadiram a porção espanhola da América do Sul estabelecida no Tratado de Tordesilhas, forçando, inclusive à assinatura de um novo acordo, o Tratado de Madri. A partir daí, o mapa do país não parou mais de mudar.
  Em 1709, o Brasil já contava com a maior parte do território atual, mas apenas sete províncias: Grão-Pará (com a área da atual região Norte), Maranhão, Pernambuco, Bahia (os três formando o que hoje é a região Nordeste, além do Espírito Santo), Rio de Janeiro, São Paulo (compreendendo todas as atuais regiões Centro-Oeste e Sudeste, menos o Rio de Janeiro) e São Pedro (onde hoje é a região Sul).

Mapa do Brasil em 1709
  Já no final do século XVIII, várias outras províncias são criadas, com o desmembramento de São Paulo, como Goyaz, Minas Geraes e Mato Grosso, além da divisão do território da Bahia, dando origem ao Espírito Santo.
Mapa do Brasil em 1779
  Com o advento do Império, no início do século XIX, acontece a divisão das províncias do Nordeste, criando as unidades que hoje se configuram nos estados daquela região. Também no Sul, em um desmembramento de São Paulo, surge Santa Catarina. Em 1853, a porção sul da província de São Paulo foi desmembrada, criando o Paraná, como punição pela participação paulista na revolta anti-imperial de 1842. A comarca de São Francisco, foi passada para a Bahia, como punição a Pernambuco pela participação na Confederação do Equador em 1830.
Mapa do Brasil em 1853
  Em 1943, com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial, o governo de Getúlio Vargas decide desmembrar seis territórios estratégicos de fronteira do país para administrá-los diretamente: Ponta Porã, Iguaçu, Amapá, Rio Branco, Guaporé e o arquipélago de Fernando de Noronha. Ponta Porã e Iguaçu retornam à condição original após a guerra, enquanto os quatro restantes são mantidos (Rio Branco é renomeado como Roraima e Guaporé é batizado de Rondônia, em homenagem ao Marechal Rondon).
  No ano de 1960, um território quadrangular foi desmembrado do estado de Goiás para abrigar a nova capital, Brasília, como novo Distrito Federal. Simultaneamente, o território do antigo DF foi transformado em estado da Guanabara, compreendendo apenas a cidade do Rio de Janeiro e sua área rural. Em 1975, o estado da Guanabara foi incorporado como município ao estado do Rio de Janeiro e a cidade do Rio de Janeiro passou a ser sua capital.
  Já em 1977 a porção sul do Mato Grosso foi emancipada como o novo estado do Mato Grosso do Sul, tendo como capital a cidade de Campo Grande. Em 1978 a proposição da PLP-194 da Câmara dos Deputados prevê a criação do estado de Santa Cruz, desmembrado a partir dos territórios de Minas Gerais e Bahia. No ano seguinte a proposta é rejeitada pela Mesa Diretora e arquivada. Em 22 de dezembro de 1981, foi criado o estado de Rondônia e instalado em 4 de janeiro de 1982, quando, após 16 anos, os eleitores brasileiros voltaram a eleger seus governadores estaduais pelo voto direto.
  A Constituição de 1988 deixou a estrutura das divisões como ela é hoje. Apesar de manter a definição legal de Territórios Federais, acabou com os existentes até então, elevando Roraima e Amapá à condição de estados e integrando Fernando de Noronha ao estado de Pernambuco. No mesmo ato, a porção norte de Goiás foi desmembrada como estado de Tocantins tendo como capital a cidade de Palmas.
  Veja abaixo como ficará se for aprovado cada um dos novos estados da Federação.
Gurgueia
  O estado de Gurgueia, com 87 municípios, seria desmembrado do estado do Piauí, ao sul deste e foi batizado com o nome do Rio Gurgueia. Criado, o novo estado teria uma área de 155.568 km², correspondendo a 61,85% da área total do estado do Piauí. Em seu território, morariam cerca de 645.296 habitantes, em torno de 21,46% da população estadual. A capital do novo estado seria a cidade de Alvorada do Gurgueia.
Rua de Alvorada do Gurgueia
  Esse novo Estado já contaria com uma universidade federal, a Universidade Federal do Vale do Gurgueia (UVG), com sede na cidade de Bom Jesus, já em processo de aprovação no Congresso, como desmembramento da Universidade Federal do Piauí. A região é considerada fértil para a agricultura.
Produção de soja no município de Ribeiro Gonçalves - PI
  Dividido em dois, o Piauí ainda seria maior que sete estados e o Gurgueia, maior que doze.
Carajás
  O estado de Carajás será fruto do desmembramento do Pará. Se sair do papel, Carajás, que está localizado no sudeste do Pará, terá uma população de 1,3 milhão de habitantes e 289.799 km² de área, um terço do atual estado do Pará. Será o nono maior estado e possuirá 39 municípios. A capital do novo estado seria a cidade de Marabá.
Praça em Marabá - PA
  A economia de Carajás é baseada no tripé econômico: agropecuária-indústria madeireira-exploração mineral. Outra atividade bastante desenvolvida na região é o extrativismo, principalmente dos produtos retirados da Floresta Amazônica. Nesse estado localiza-se também a Usina Hidrelétrica de Tucuruí, maior usina 100% brasileira.
Maranhão do Sul
   Desmembrado do Maranhão, o Maranhão do Sul, nasceria com uma área de 150 mil quilômetros quadrados, 49 municípios e uma população de 1,1 milhão de habitantes. Sua capital seria a cidade de Imperatriz.
Imperatriz - MA
  A economia do novo Estado se baseia na indústria de ferro gusa, com algumas reservas de carvão, bauxita e calcário. A região vem se transformando, nas últimas décadas, em um novo polo agrícola, com destaque para o cultivo de arroz, soja, milho e ealgodão.
Cultivo de soja na região de Balsas - MA 
  O novo estado tem recebido grandes investimentos nos últimos anos, como a construção da Hidrelétrica de Estreito e infraestrutura de transporte, como a Ferrovia Norte-Sul, parte da Ferrovia Carajás e a Hidrovia Tocantins-Araguaia.
Tapajós
  O estado de Tapajós, é uma proposta resultante do desmembramento de uma área do noroeste e do oeste do Pará. Se sair do papel, Tapajós será o 3º maior estado brasileiro, com 29 municípios e uma população aproximada de 1,3 milhão de habitantes. Santarém, seria a capital do novo estado, que atualmente possui uma população de quase 300 mil habitantes.
Santarém - PA
  O novo estado contaria com uma universidade federal, a Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), com sede na cidade de Santarém.
   A economia da região é baseada na agropecuária e no extrativismo mineral e vegetal, além da atividade pesqueira.
Triângulo Mineiro
 
  O estado do Triângulo Mineiro, com 66 municípios, seria fruto do desmembramento da parte oeste de Minas Gerais e foi batizado com o nome da mesorregião Triângulo Mineiro. se criado, o novo estado terá uma área de 90.545 km². Em seu território morariam cerca de 2.159.047 habitantes. A capital do novo estado seria a cidade de Uberlândia, que atualmente possui uma população de mais de 600 mil pessoas, e já nasceria maior que nove capitais brasileiras, representando cerca de 28% da população do Triângulo.
Uberlândia - MG
  O novo estado, já contaria com duas universidades federais, a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com sede na cidade do mesmo nome, e a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), com sede na cidade de Uberaba.
  O Triângulo Mineiro é uma das regiões mais ricas do estado, com a economia voltada para agropecuária. As principais indústrias instaladas nessa região, relacionam-se aos setores de processamento de alimentos e de madeira, de açúcar e álcool, fumo e de fertilizantes.
  Nos últimos anos o Triângulo Mineiro é a região que mais tem recebido investimentos e mais empregos tem gerado.
  A região é marcada por eventos de grande importância nacional, como a Expozebu, em Uberaba, a Feniub, em Uberlândia, e a EXPOPEC e Carnaval, em Ituiutaba, a Feira e Exposição agropecuária anual, que tem abrangência nacional, e acontece no mês de aniversário da cidade, setembro.
Expozebu 2009 - Uberlândia - MG
Rio São Francisco
  Localizado no oeste do estado da Bahia, esse estado compreendia todas as terras baianas da margem esquerda do rio São Francisco.
  A região possui aspectos físicos peculiares, com notáveis distinções entre os demais espaços do estado da Bahia. O clima predominante é o Tropical Continental, caracterizado por dois períodos bem distintos: um verão chuvoso e um inverno seco, além de possuir áreas de Clima Semiárido. A vegetação na maior parte é uma vegetação de cerrado, e nas áreas de clima semiárido predomina a caatinga.
Vegetação de cerrado- predomina no oeste da Bahia
   Esse estado contaria com 35 municípios, uma área de 174.298 km², e uma  população de quase 1 milhão de habitantes. Barreiras poderia ser a futura capital do Estado.
Barreiras - BA
  A economia da região se baseia na agropecuária, e nos últimos anos a área se tornou uma das fronteiras agrícolas do Brasil, graças ao avanço do cultivo da soja.
Planalto Central
  O Planalto Central é uma proposta para uma nova unidade federativa do Brasil, baseada no Projeto Decreto Legislativo nº 298 de 2002. Se desmembraria dos atuais estados de Goiás, Minas Gerais e também do Distrito Federal. Sua capital seria a cidade-satélite de Taguatinga. A maior parte do estado e da população seria a parte de Goiás
Taguatinga- DF
  Se esse estado fosse aprovado, Brasília passaria a ser, exclusivamente, a capital administrativa do Brasil. O novo estado absorveria 25 municípios de Goiás e 4 de Minas.
  A área total desse Estado seria de 75.470 km² para uma população de 645.296 habitantes.
Estado da Guanabara
  A Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. Em sua área, esteve localizado o antigo Distrito Federal do país (1891-1960).
Rio de Janeiro - RJ
  Se for recriado, o estado da Guanabara seria a unidade da federação com o menor número de municípios, pois iria fazer parte apenas a cidade do Rio de Janeiro.
  A área do estado da Guanabara é de 1.356 km² para uma população de 6.323.037 habitantes.
Estado do Juruá
  O Estado do Juruá é uma proposta de uma nova unidade federativa do Brasil. Formado por sete municípios, seria fruto do desmembramento do estado do Amazonas. A provável capital do novo estado seria a cidade de Eirunepé, que possui atualmente 30.666 habitantes.
Eirunepé - AM
  Inicialmente esse estado iria incorporar todas as cidades que são banhadas pelo rio Juruá, porém este projeto não foi aceito, pois pegaria áreas do estado do Acre. Com isso ficou delimitado apenas as cidades banhadas por esse rio do estado do Amazonas.
  A área total desse Estado é de 122.114 km² para uma população de 130.000 habitantes.
Estado de Solimões
  A criação do estado de Solimões iria desmembrar a parte sudoeste do estado do Amazonas. Seria composto por nove municípios e sua capital seria a cidade de Tabatinga.
Tabatinga - AM
  O novo estado teria uma área de 213.281 km² e uma população de 224.068 habitantes.
Estado do Araguaia e do Mato Grosso do Norte

7. Araguaia; 8. Mato Grosso do Norte
  O estado do Araguaia seria uma divisão do Mato Grosso. O novo Estado localiza-se na porção norte do Estado e terá como provável capital, a cidade de Barra do Garças.
Barra do Garças - MT
  Se for transformado em Estado, Araguaia terá uma população de aproximadamente 640 mil habitantes e uma área de 550 mil quilômetros quadrados, e será composto por 37 municípios.
  A principal atividade econômica da região é a agropecuária, sendo que essa área é uma das maiores produtoras de grãos do país e grande produtora de carne.
  O Mato Grosso do Norte seria composto por 47 municípios, e sua provável capital seria a cidade de Sinop.
Sinop - MT
  O argumento para criar o estado do Mato Grosso do Norte é a distância da população da região à capital estadual, Cuiabá. Já sobre a criação do Araguaia, seus defensores dizem que, ao criar o estado do Mato Grosso do Sul, no final da década de 1970, o governo agiu partindo corações, gerando decepções de um lado e esperanças do outro.
Minas do Norte
  Se for criado, esse estado compreenderá as regiões Norte de Minas, Vale do Jequitinhonha e do Mucuri. A área abrangida por essas regiões possui características fisiográficas bastante semelhantes às do Nordeste do Brasil.
  Esse estado poderá contar com 165 municípios. Montes Claros ou Teófilo Otoni poderão ser a possível capital.
Montes Claros - MG

   Além desses estados poderiam ser criados alguns territórios, como o Território do Marajó, do Oiapoque, Alto do Rio Negro e Fernando de Noronha.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

RECURSOS MINERAIS DO BRASIL

  O Brasil é um país de grande potencial mineral. Isso se deve a questão do país possuir grande parte de sua superfície constituída por terrenos metamórficos (cristalinos) datados do período Pré-Cambriano. No Brasil, as áreas de escudos proterozóicos, que fazem parte de 36% do território, são as mais propensas à ocorrência de minerais metálicos, como o ferro, o manganês, a bauxita, o ouro etc. As áreas de exploração mineral de destaque estão na região Centro-Sul e Norte. Nas bacias sedimentares, que representam 64% dos terrenos, é comum a ocorrência de minerais não-metálicos, omo o carvão, o petróleo, o gás natural e o calcário.
  As principais áreas produtoras de minerais no Brasil são:
REGIÃO NORTE
Serra do Navio - AP
  Localizado no no município do mesmo nome, na Microrregião de Macapá e Mesorregião do Sul do Amapá - AP, o distrito manganífero da Serra do Navio está situado as margens do rio Amapari. As concentrações residuais de óxidos de manganês, foram descobertas na década de 1940, onde deram origem à primeira mineração da Amazônia. As minas abertas em meados da década de 1950, encontram-se em fase de explotação. Atualmente, os depósitos de minério de manganês com maior expressão econômica situam-se na região de Carajás. Ocorrências menores são conhecidas há várias decadas na região do rio Sucundi, no estado do Amazonas.
Região da exploração de manganês na Serra do Navio - AP
Serra do Carajás
 Mapa dos recursos minerais do Pará
  A Serra dos Carajás é uma formação vulcano-sedimentar que faz parte do grupo Grão-Pará e está localizada na região central do Estado do Pará. É uma verdadeira "mina de ouro", pois a região esconde em suas entranhas, minério de ferro, ouro, cobre, zinco, manganês, prata, bauxita, níquel, cromo, estanho e tungstênio em quantidades ainda desconhecidas e que fizeram da Província Mineral de Carajás uma das regiões mais ricas em minérios do mundo.
Exploração de manganês na Serra do Carajás - PA
  A primeira jazida de minério de ferro foi descoberta em 1967 quando o helicóptero do geólogo Breno dos Santos, da US Steel, foi obrigado a um pouso de emergência em uma clareira na região. Sem querer, eles pousaram em uma "canga" - região onde o minério de ferro está tão rente à superfície que a vegetação não consegue crescer de forma normal. O geólogo, durante o vôo, havia notado diversas clareiras como aquela pela região. Assim, estava descoberta a maior reserva de minério de ferro do mundo.
Exploração de minério de ferro em Carajás - PA
  As pesquisas foram iniciadas naquele mesmo ano, mas as obras do Projeto Carajás, encampadas pela Vale do Rio Doce, começaram em 1978. Três anos depois, foi feita a primeira detonação para a abertura de mina, e em 1985, entrou em operação o primeiro trem de minério da região. A primeira venda do minério daquela região ocorreu em 1986, quando foram embarcadas 13,5 milhões de toneladas de minério de ferro.
Trem transportando minério de ferro em Carajás
  O minério de ferro da Província Mineral de Carajás é importante, não apenas pela quantidade em que se encontram, mas também pela qualidade: é o melhor minério de ferro do mundo. Porém, ao mesmo tempo em que a descoberta da Província Mineral do Carajás trouxe enormes benefícios econômicos para a região, a extração mineral também causa uma série de impactos ambientais e culturais significativos.
  Na região da Serra dos Carajás já foram encontrados diversos sítios arqueológicos que ainda não foram estudados, com exceção do sítio localizado na Serra dos Carajás chamado de "Gruta do Gavião", que possui evidências de presença humana datadas de 8.500 anos e está entre as maiores do país.
Gruta do Gavião, na Serra dos Carajás - destruída por causa da exploração de minério de ferro 
  Infelizmente, a gruta foi destruída em 1994 pela mineração.  Outra gruta ameaçada pela exploração mineral é a Gruta do Piquiá onde é feito os registros dos primeiros artefatos em ferro lascado do Brasil.
REGIÃO NORDESTE
  O Nordeste é rico em recursos minerais. Os destaque são o petróleo e o gás natural, produzidos na Bahia, em Sergipe e no Rio Grande do Norte. Na Bahia, o petróleo é explorado no litoral e na plataforma continental e processado no Polo Petroquímico de Camaçari. A Bahia é o terceiro maior produtor de petróleo do Brasil.
Polo Petroquímico de Camaçari - BA
  O Rio Grande do Norte, responsável por 11% da produção nacional, é o segundo maior produtor de petróleo do país, atrás apenas do Rio de Janeiro. Produz também 95% do sal marinho consumido no Brasil.
Salinas em Macau - RN
  Pernambuco se destaca na produção de gesso, onde o Estado é responsável por cerca de 95% de toda a produção brasileira. Há ainda no Nordeste, grandes jazidas de granito, pedras preciosas e semipreciosas.
Produção de gesso na Chapada do Araripe - PE
REGIÃO CENTRO-OESTE
  No Centro-Oeste, a grande produção mineral é a região do Maciço do Urucum. O Maciço do Urucum ou Morro do Urucum, recebeu este nome pela cor de suas terras que se assemelha ao urucum. É um morro localizado na zona rural de Corumbá, no Mato Grosso do Sul.
Maciço do Urucum - MS
  Famoso por ser a maior e mais culminante formação rochosa do Mato Grosso do Sul, possui altitudes que superam os mil metros. em razão da natureza de suas rochas, o Maciço do Urucum possui grandes reservas minerais, com destaque para o manganês tipo pirolusita e criptomelana (possui a maior reserva do Brasil e uma das maiores do mundo, podendo ser extraído 30 milhões de toneladas) e o ferro tipo hematita e itabirita (terceira maior reserva do Brasil). Suas jazidas estão sob o controle da Vale do Rio Doce (privatizada pelo Governo Federal e dona da Urucum Mineração) e da Rio Tinto (empresa de capital inglês e dona da Mineração Corumbaense Reunida).
Produção de manganês no Maciço de Urucum
REGIÃO SUDESTE
  A Região Sudeste, constitui uma das áreas de mineração mais importantes do Brasil. Os interesses da industrialização e da exportação associados ao desenvolvimento da tecnologia de pesquisa do subsolo, propiciaram a descoberta de diversos tipos de minerais, que constituem importantes matérias-primas para a indústria. Um desses minerais é o ferro.
Produção de ferro em Minas Gerais
  A jazida de ferro mais importante do país está situada numa área ao sul de Belo Horizonte, conhecida como Quadrilátero Ferrífero, constituída pelas cidades de Belo Horizonte, Mariana, Santa Bárbara e Congonhas. A exploração do minério de ferro é realizada pela Cia. Vale do Rio Doce.
Cidade de Ouro Branco -MG
  Juntamente com o ferro, um dos principais produtos brasileiros de exportação, também foram descobertas no Quadrilátero Ferrífero jazidas de ouro, de manganês (um dos ingredientes necessários para a fabricação do aço) e da bauxita (matéria-prima para a fabricação do alumínio).
  As jazidas de calcário (material usado na fabricação de cimento), estão espalhadas pelos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Neste último estado, encontra-se outro recurso mineral do Sudeste, o petróleo.
  O petróleo é uma importantíssima fonte de energia, que, juntamente com a energia proveniente das hidrelétricas, fornece condições para o crescimento industrial da região Sudeste. O Rio de Janeiro, é o maior produtor nacional de petróleo do país, respondendo por mais de 70% de toda a produção brasileira. Esse combustível fóssil é encontrado na região da Plataforma Continental, mais especificamente, na Bacia de Campos.
 
Mapa da Bacia de Campos - RJ. Região que mais produz petróleo no Brasil
  No estado do Espírito Santo, o petróleo é extraído tanto na plataforma continental quanto no continente, nas proximidades de São Mateus. REGIÃO SUL
  Na Região Sul destaca-se, principalmente, a produção de carvão mineral. O carvão brasileiro, em sua maior parte, possui qualidade de pobre a média devido às condições geográficas responsáveis pela sua formação.
  O carvão presente na região Sul, difere do restante do país pela qualidade que, mesmo baixa para os padrões mundiais, é melhor que no restante do país. Nessa região, o carvão é em sua maioria do tipo sub-betuminoso e betuminoso, com ocorrência também em São Paulo.  No restante do país predominam as reservas de carvão tipo linhito e sub-betuminoso (a qualidade do carvão é definida, dentre outros métodos, pelo estágio de desenvolvimento do mineral que evolui da seguinte maneira: turfa à sapropelito à linhito à carvão sub-betuminoso à antracito, que é o último estágio e, o de melhor qualidade. Cada estágio é chamado de rank: quanto maior o rank melhor o carvão).
  As minas da região Sul do Brasil são responsáveis por 99,98% das reservas de carvão mineral brasileiras, sendo os outros 0,02% em São Paulo. A maior jazida de carvão mineral do paí é a jazida de Candiota, no Rio Grande do Sul, que responde por 23% das reservas oficiais do país (que chegam a 7 bilhões de toneladas) e também é a melhor em rentabiidade, uma vez que suas reservas apresentam-se em camadas bastante espessas e de grande continuidade.
Mina de carvão mineral em Candiota - RS
  Em segundo lugar estão as jazidas do Baixo Jacuí, a oeste de Porto Alegre, que são formadas pelas seguintes minas: Capané, São Sepé, Iruí, Leão, Sul do Leão, Pântano Grande, Água Boa, Faxinal, Arroio dos Ratos e Charqueadas.
  Destacam-se também a produção de carvão em Santa Catarina, principalmente nas áreas da baixada litorânea, com destaque para Urussanga, Criciúma, Lauro Müller e Tubarão.
Criciúma - SC - conhecida como a capital nacional do carvão mineral