ALDANN CONSTRUÇÕES

ALDANN CONSTRUÇÕES
TEL: (84) 4008-3800

quinta-feira, 25 de junho de 2015

O BIOMA DA TUNDRA

  O termo tundra é uma adaptação da palavra filandesa tunturia, que significa "planície sem árvores". Essa palavra acabou ganhando popularidade porque, na parte norte da Finlândia, existe uma vasta área desprovida de árvores de grande porte. Existe três tipos de tundra: tundra ártica, tundra alpina e tundra antártica.
  Numa tundra, a vegetação é composta por arbustos, ciperáceas, gramíneas, musgos e liquens. O ecótono (área de transição entre a tundra e a floresta) é denominado linha de árvores.
  A tundra Ártica está situada nas latitudes mais distantes do equador, uma vez que se encontra no interior do Círculo Polar Ártico, nas proximidades do Polo Norte. Aí, sob o rigor do clima polar, frio e seco, o calor e a chuva são fenômenos raros. Por essa razão, tem solo recoberto de neve durante a maior parte do ano. A tundra ocupa 5% das terras emersas do planeta.
Mapa da área coberta pela tundra Ártica
  Nesse bioma, os invernos são muito longos, e o frio é intenso (as temperaturas ficam em torno de -30°C). Por isso, os animais que não migram vivem essa parte do ano escondidos em tocas abaixo da superfície. Durante as horas de escuridão, a neve vai caindo e acumula-se, devido aos fortes ventos nas regiões mais baixas, obrigando os animais a permanecerem junto ao solo apenas para procurar comida para se manterem quentes.
  A precipitação é muito pequena (entre 35 mm e 75 mm), que ocorre na forma de neve. Apesar do pequeno índice pluviométrico, a tundra apresenta um aspecto úmido e encharcado, em virtude da evaporação ser muito lenta e da fraca drenagem do solo permafrost, no verão.
Vegetação de tundra, na Islândia
  O verão é muito curto nessa região. Dura cerca de dois meses, e, embora a luz solar banhe a região durante quase todo o dia, o frio continua dominante. Mas a elevação da temperatura (que pode chegar a 10°C) descongela parte do solo, que fica lamacento por causa da água acumulada pelo derretimento da neve, formando áreas pantanosas. É nesse solo lamacento que floresce a tundra propriamente dita: formação vegetal com aspecto aveludado que resulta da associação de musgos e liquens. Os musgos e liquens se desenvolvem em algumas semanas do verão, quando ocorre o descongelamento de parte do gelo que cobre o solo.
Vegetação de tundra na Rússia
  Os liquens são organismos que resultam de uma associação entre algas microscópicas e fungos. Os fungos são organismos que existem em todo o planeta, e seu representante mais conhecido é o cogumelo. Na região da tundra eles são microscópicos. Já os musgos são plantas bem verdes, sem raízes, que cobrem o solo da região ártica quando ocorre o degelo.
  O frio da região é tão intenso que produz outra característica muito marcante, cujo efeito é curioso. Em seu subsolo, é registrada uma camada de gelo muito espessa conhecida como permafrost, termo de origem inglesa que significa "permanentemente congelado".
Rebanho de boi-almiscarado (Ovibos moschatus) pastam na tundra do Canadá
  Como o permafrost fica logo abaixo da superfície, a água formada pelo derretimento da neve não consegue penetrar no subsolo e fica acumulada, encharcando o solo ainda mais.
  No verão, porém, a luz solar é muito presente, e a vida ganha força. Graças à disponibilidade de água e ao fim da neve e do gelo, muitas plantas florescem rapidamente, criando uma rica "pastagem" para algumas espécies, como o boi-almiscarado, a rena, a lebre-ártica, entre outros. No verão, esses animais formam grandes manadas e migram para a tundra.
Tundra na Groenlândia
  Os animais carnívoros também são atraídos; em consequência, fecha-se uma ampla cadeia alimentar. Raposas, lobos e ursos são alguns carnívoros que se beneficiam desse período mais quente do ano.
  Além dos liquens e dos musgos, ervas e arbustos baixos também florescem durante o verão ártico. O frio persistente e o solo raso impedem que as plantas atinjam porte maior, pois suas raízes não conseguem penetrar na camada de permafrost.
Renas (Rangifer tarandus) pastam na tundra da Finlândia
  Apesar do frio e da escassez de vegetação, a tundra abriga uma fauna variada, com um número elevado de animais, alguns de grande porte, como as renas, boi-almiscarado, ursos polares, raposas-do-ártico, entre outros. Lebres e diversos tipos de roedores sobrevivem em tocas. Nas zonas costeiras vivem várias espécies de aves e também de animais marinhos. Entre estes estão as pequenas e as grandes baleias. No Ártico, aves e baleias migram para o sul durante o inverno, em busca de temperaturas mais amenas.
Raposa-do-ártico (Alopex lagopus)
  Os répteis e anfíbios são poucos ou encontram-se completamente ausentes devido às temperaturas serem muito baixas. A lebre-ártica muda a cor do seu pelo no inverno e no verão. Isso ajuda o animal a camuflar-se dos seus predadores. O cisne-da-tundra possui 25.000 penas, 80% das quais estão no seu pescoço.
Cisne-da-tundra ou cisne-pequeno (Cygnus columbianus bewickii)
   A tundra alpina encontra-se em vários países e situa-se no topo das altas montanhas. É muito fria e ventosa e não possui árvores. Diferente da tundra ártica, o solo apresenta uma boa drenagem e não apresenta permafrost. Apresenta ervas, arbustos e musgos, tal como a tundra ártica. A fauna é composta de cabras-das-montanhas, alces, marmotas (pequeno roedor), insetos (gafanhotos, borboletas, escaravelhos), entre outros.
Tundra alpina, no Mont Blanc, entre a Itália e a França
  A Antártica é a região mais fria e inóspita do planeta, o que dificulta a formação vegetal. As principais dificuldades para o crescimento dos vegetais na Antártica são os fortes ventos, a curta espessura do solo e a limitada quantidade de luz solar durante o inverno. Por isso, a variedade de espécies de plantas na superfície é limitada a plantas "inferiores", como musgos e liquens. Já a fauna é menor do que a da tundra ártica, sendo composta por pinguins, focas, leão-marinho e algumas espécies de aves, que durante o verão vão ao continente para se reproduzirem.
Tundra na Antártica
  A tundra é um bioma que apresenta grande risco de destruição por causa das atividades dos seres humanos.   A poluição produzida pela sociedade está aumentando rapidamente a temperatura da superfície terrestre. Esse problema - chamado de aquecimento global - pode acarretar o derretimento do gelo na tundra e até o desaparecimento do permafrost. Estas modificações podem afetar a cadeia alimentar e, assim, comprometer a vida de muitas espécies.
Tundra no Parque Nacional de Rondane - Noruega
FONTE: Tamdjian, James Onnig
Estudos de geografia: como funciona o mundo, 6° ano / James Onnig Tamdjian, Ivan Lazzari Mendes. - São Paulo: FTD, 2012. 

terça-feira, 23 de junho de 2015

BULGÁRIA: O PAÍS DAS ROSAS

  Situada no sudeste dos Balcãs, o país das rosas, como é conhecida a Bulgária, é um país cheio de construções históricas, com belezas naturais e uma cultura rica e fascinante, além de possuir uma arquitetura imponente e cidades repletas de atrativos.
  O território búlgaro limita-se ao norte com a Romênia, a leste com o Mar Negro, ao sul com a Turquia e a Grécia, e a oeste com a Macedônia e a Sérvia. Culturalmente está ligado à Rússia, em termos de escrita (alfabeto cirílico) e religião (cristã ortodoxa).
Mapa da Bulgária
HISTÓRIA
  Os trácios, um dos primeiros grupos ancestrais dos búlgaros modernos, divididos em várias tribos viveram até 500 a.C., quando o rei Teres I uniu a maioria deles no Reino Odrísio. Foram conquistados por Alexandre, o Grande, e mais tarde pelos romanos.
  A história da Bulgária como um Estado independente começou no século VII, com a chegada dos búlgaros, que se misturaram com os trácios romanizados e fundaram o Primeiro Império Búlgaro, em 681.
  O apogeu cultural e territorial do Primeiro Império Búlgaro se deu entre o século IX e início do século X, através de Bóris I e Simeão, o Grande, que transformaram o império no centro cultural e literário da Europa eslava e um dos maiores Estados do continente europeu.
  Em 1014, o Estado Búlgaro foi conquistado pelo imperador bizantino Basílio II Bulgaróctone, na Batalha de Clídio, e em 1018, o Império Bizantino conquistou definitivamente o Primeiro Império Búlgaro. A Bulgária manteve-se sob a autoridade de Constantinopla até 1185.
Primeiro Império Búlgaro
  Em 1185, depois de uma revolta bem sucedida de dois nobres em Tarnovo, Asen e Pedro, o Império Búlgaro foi restaurado, nascendo, assim, o Segundo Império Búlgaro, que durou até o século XIV, quando foi invadido pelo Império Otomano. A conquista Otomana se deu devido ao enfraquecimento do império promovido pelo desmembramento dos feudos.
  O domínio do Império Otomano durou até o século XVIII. Durante a ocupação otomana, a população búlgara sofreu com a opressão, a intolerância e a má governação. A nobreza foi eliminada e os camponeses explorados pelos otomanos. Nesse período, a cultura búlgara foi isolada da Europa, as suas realizações foram destruídas e os clérigos fugiram para outros países. Ao longo dos quase cinco séculos de domínio otomano, o povo búlgaro respondeu à opressão, reforçando a tradição do Haiduk (bandoleirismo), e tentou restaurar o seu Estado, organizando várias revoltas.
Burgas - com 204.316 habitantes, é a quarta maior cidade da Bulgária
  Em 1876, o Comitê Revolucionário Secreto Búlgaro, com sede em Bucareste (capital da Romênia), organizou uma revolta, conhecida como Revolta de Abril, que foi duramente reprimida pelas autoridades otomanas. Muitas aldeias foram saqueadas e milhares de vítimas da repressão foram assassinadas, provocando a reação da opinião pública e da diplomacia europeia.
  A Rússia aproveitou-se dos massacres de eslavos como um pretexto para declarar a Guerra Russo-Turca de 1877-1878. Essa guerra envolveu tropas voluntárias romenas e búlgaras, provocando a derrota do Império Otomano.
  O Tratado de Santo Estevão, assinado em 3 de março de 1878, estabelecia a criação de um grande principado autônomo da Bulgária e o desmantelamento dos territórios do Império Otomano. Com o temor do Império Austro-Húngaro e da Grã-Bretanha do desequilíbrio nos Balcãs, o Congresso de Berlim, de julho de 1878, revisou o tratado anterior, mantendo o principado autônomo da Bulgária, porém bastante reduzido. Este Estado estaria submetido a autonomia otomana, mas seria governado por um príncipe eleito por um congresso de notáveis búlgaros e aprovado pelas grandes potências.
Ruse - com 152.664 habitantes, é a quinta maior cidade da Bulgária
  As ambições nacionalistas não estavam satisfeitas com a autonomia da Bulgária e se estenderam pelo território búlgaro. Em 1885, o exército da Bulgária ocupou a província da Rumélia Oriental, e os búlgaros declararam guerra contra a Sérvia, vencendo os sérvios.
  Em 22 de setembro de 1908, com o apoio do Império Austro-Húngaro, Fernando I declarou a independência da Bulgária, tornando-se monarca desse país. Em 1911, o primeiro-ministro nacionalista Ivan Geshov formou uma aliança com a Grécia e a Sérvia, em conjunto, para atacar os otomanos. Esses três países assinaram tratados que previam a divisão da Macedônia e da Trácia entre os aliados.
  Em outubro de 1912 eclodiu a Primeira Guerra Balcânica, em um momento em que os otomanos viviam uma guerra com a Itália. Os aliados na Líbia derrotaram os otomanos e apreenderam todo seu território europeu. A cidade de Adrianópolis (atual Edirne) caiu em março de 1913 e o Império Otomano se rendeu. Pelo Tratado de Londres, assinado em 30 de maio de 1913, os turcos deixaram quase todos os territórios europeus a oeste de Adrianópolis.
Stara Zagora - com 141.065 habitantes, é a sexta maior cidade da Bulgária
  Em junho de 1913, a Sérvia e a Grécia formaram uma nova aliança, agora para tentar derrotar a Bulgária. Com o apoio da Alemanha e do Império Austro-Húngaro, a Bulgária declarou guerra à Sérvia e à Grécia, em 29 de junho, quando o exército búlgaro atacou os dois países, dando início a Segunda Guerra Balcânica. A Grécia e a Sérvia invadiram a Bulgária pelo lado ocidental. A Romênia entrou na guerra e atacou a Bulgária a partir do norte. O Império Otomano atacou o país a partir do sudeste.
  Derrotada, a Bulgária pediu paz e, em 10 de agosto de 1913, foi assinado o Tratado de Bucareste, onde o país ficou com uma parte do sul da Trácia, mas teve que ceder Dobruja do Sul à Romênia. Pelo Tratado de Constantinopla, a Bulgária teve que devolver Adrianópolis e a Trácia ao Império Otomano. Após as guerras balcânicas, a Bulgária ficou bastante debilitada, impedindo o seu crescimento econômico.
  O assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, em Sarajevo, em 28 de junho de 1914, provocou a ruptura nas relações entre o Império Autro-Húngaro e a Sérvia, dando início a Primeira Guerra Mundial.
Pleven - com 109.114 habitantes, é a sétima maior cidade da Bulgária
  No primeiro ano da guerra, a Bulgária ficou de fora, mas, como a Alemanha e o Império Austro-Húngaro precisavam do país para derrotar militarmente a Sérvia e abrir as linhas de abastecimento da Alemanha para a Turquia e reforçar a Frente Oriental contra o Rússia, o país entrou na guerra.
  A Bulgária, que tinha o maior exército dos Balcãs, declarou guerra à Sérvia em outubro de 1915. A Grã-Bretanha, França e Itália, em seguida, declararam guerra à Bulgária. Em aliança com a Alemanha, o Império Austro-Húngaro e o Império Otomano, a Bulgária obteve vitórias militares contra a Sérvia e a Romênia, ocupando grande parte da Macedônia, avançando para a Macedônia grega, e tendo ocupado Dobruja da Romênia, em setembro de 1916.
  A Revolução Russa, de fevereiro de 1917, teve um grande efeito na Bulgária, espalhando-se sentimentos de antiguerra e antimonarquista entre as tropas e nas cidades.
Sliven - com 93.470 habitantes, é a oitava maior cidade da Bulgária
  Em setembro de 1918, o czar Fernando I abdicou em favor do seu filho Bóris III. Pelo Tratado de Neuilly, de 27 de novembro de 1919, a Bulgária teve de devolver o território de Dobruja do Sul à Romênia, a Sérvia recuperou a Macedônia e anexou vários territórios búlgaros na fronteira ocidental; a Grécia conquistou a Trácia Ocidental e deixou a Bulgária sem saída para o mar Egeu.
  Em 1923, a Grécia expulsou dos territórios conquistados cerca de 250.000 búlgaros e substituiu-os por refugiados gregos chegados da Ásia Menor após a dissolução do Império Otomano. O país teve que reduzir seu exército além de pagar indenizações aos países que tinha tomado territórios, deixando a Bulgária arrasada.
Dobrich - com 92.868 habitantes, é a nona maior cidade da Bulgária
  Após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, em 1940, a Alemanha e a União Soviética pressionaram o governo da Romênia, que teve que ceder territórios para a Hungria e a URSS. A Bulgária aderiu à ofensiva diplomática, exigindo a devolução do sul de Dobruja, que foi obtido pelo Tratado de Craiova, em 7 de setembro de 1940.
  Em 1941, a Bulgária foi forçada a se juntar às potências do Eixo (formado por Alemanha, Itália e Japão), quando as tropas alemãs, que estavam se preparando para invadir a Grécia a partir da Romênia, chegaram às fronteiras da Bulgária, que pediram permissão para passar pelo território búlgaro. Ameaçado pelo confronto militar, o czar Bóris III não teve escolha, e em 1 de março de 1941, se aliou ao Eixo. O país participou da divisão da Iugoslávia e da Grécia. Através de suas alianças, a Bulgária obteve uma grande parte da Macedônia e de territórios da Sérvia e da Trácia. Apesar da aliança com os alemães, a Bulgária se recusou a participar da guerra contra a URSS e de entregar os judeus da Bulgária as autoridades nazistas. Em 1944, as tropas soviéticas chegaram à Bulgária e, em seguida, o país mudou de lado e se juntou aos Aliados (que era formado por URSS, Reino Unido, França e EUA).
Shumen - com 82.488 habitantes, é a décima maior cidade da Bulgária
  Após a abolição da monarquia, em um referendo, foi proclamada a República Popular da Bulgária, em 15 de setembro de 1946. Devido ao apoio recebido da União Soviética e o Tratado de Paris de 1947, a Bulgária teve que devolver a Macedônia para a Iugoslávia e a Trácia para a Grécia, mas conseguiu manter Dobruja do Sul.
  Em 1950, devido a Guerra Fria, a Bulgária cortou relações diplomáticas com os Estados Unidos. O governo comunista na Bulgária foi encerrado em 1990, e o país passou a adotar uma economia de transição. Durante o período comunista, a Bulgária foi um dos países mais alinhados de Moscou.
  Em junho de 1990, realizaram-se as primeiras eleições livres, que foi vencida pela ala  moderada do Partido Comunista (o Partido Socialista Búlgaro - BSP). Em julho de 1991, foi aprovada uma nova Constituição, que reduziu os poderes presidenciais e permitiu que o primeiro-ministro ficasse sob a supervisão da assembleia legislativa. A economia planificada foi descartada e o setor privado foi legalizado. Em 2004, a Bulgária passou a fazer parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e em 2007, da União Europeia.
Vale das Rosas - Bulgária
GEOGRAFIA
  A Bulgária é composta pelas regiões clássicas da Trácia, Mésia e Macedônia. O sudoeste do país é montanhoso e nele está localizado o ponto mais elevado da península Balcânica, o Musala, com 2.925 metros. A cordilheira dos Balcãs atravessa o centro do país de leste a oeste, a norte do famoso Vale das Rosas. Há regiões de planície e colinas a sudeste, ao longo da costa do Mar Negro e nas margens do rio principal da Bulgária, o Danúbio, a norte.
  O relevo búlgaro é dominado por duas cadeias montanhosas paralelas, orientadas de oeste para leste, que cortam o país da fronteira com a Sérvia até o mar Negro. Entre ambas se estende uma região de planícies e extensos vales, a antiga Trácia, onde se localizam as principais fontes de riquezas e as maiores concentrações demográficas do país.
Musala - ponto culminante da Bulgária
  A cadeia montanhosa que confina a Trácia pelo norte é a Stara Planina, ou Cordilheira dos Balcãs, cuja largura não chega a cinquenta quilômetros, mas que em alguns lugares atinge mais de dois mil metros de altura, com destaque para o Botev (2.376 metros) e o Triglav (2.276 metros).
  No sul do país, os Antibalcãs formam paisagens montanhosas de estrutura complexa e em geral mais elevadas que os Balcãs. Constituem a fronteira com a Sérvia e com a Grécia. O maciço de Vitosha, a poucos quilômetros de Sófia, alcança 2.290 metros. A cordilheira de Pirin atinge 2.914 metros no pico Vikhren, e os montes Ródope, 2.191 metros. Ao norte dos Balcãs, o terreno baixa em suave declive para as margens do Danúbio, que corre paralelamente à cordilheira, a cerca de cem quilômetros ao norte.
Garganta Trigrad - Bulgária
  Na maior parte da Bulgária o clima é do tipo temperado continental, com invernos rigorosos e nevadas frequentes, e verões bastante quentes. Na planície da Trácia o clima é mais ameno graças a influência dos mares Mediterrâneo e Negro. As precipitações nas planícies são modestas, variando entre 400 e 600 milímetros anuais, enquanto que nas montanhas chegam a mais de 1.200 milímetros, muitas vezes ocorrendo na forma de neve. O período mais chuvoso é a primavera. No verão há o cultivo de espécies semitropicais, como o algodão e o arroz.
Parque Nacional de Pirin - Bulgária
  O território da Bulgária divide-se em quatro bacias hidrográficas. Ao norte dos Balcãs, numerosos rios com amplos vales transversais à cordilheira, encontra-se os afluentes do rio Danúbio. Todos os rios dessa bacia nascem na cadeia Balcânica, salvo o rio Iskar, que, oriundo do maciço de Rila, alcança a depressão onde está a capital do país e atravessa as montanhas por um estreito vale, até chegar à planície do Danúbio.
Rio Iskar - Bulgária
  Entre os Balcãs e os Antibalcãs, a planície da Trácia é banhada pelo Maritsa e seus afluentes, dos quais o mais caudaloso é o Arda, que recolhe suas águas da vertente setentrional dos montes Ródope. Ambos os rios se unem na fronteira da Grécia com a Turquia, antes de desembocar no mar Mediterrâneo.
Rio Arda - Bulgária
  Cavando seus vales nos Antibalcãs, o Struma e o Mesta rumam para o sul, até desaguar na costa grega do mar Egeu. Vários rios menores desaguam diretamente no mar Negro.
Rio Struma - Bulgária
  Os bosques de coníferas cobrem uma terça parte do território búlgaro, sobretudo nas zonas montanhosas, enquanto uma vegetação de estepes caracteriza a planície do Danúbio. O governo búlgaro mantém um programa de reflorestamento para compensar as perdas acarretadas pelas guerras e pela rotação de culturas.
Monte Botev - Bulgária
  A fauna búlgara é composta de animais próprios das diversas zonas biogeográficas do centro da Europa, com destaque para ursos, cervos, lobos, leopardos, entre outros, que se encontram em estado selvagem nas reservas naturais do país.
  A faixa litorânea da Bulgária é extensa, em comparação com outros países que o cercam, possuindo cerca de 380 quilômetros de áreas costeiras, com belas praias banhadas pelo Mar Negro.
Praias exuberantes atraem milhares de turistas todos os anos para a Bulgária
ECONOMIA
  Com o fim da Segunda Guerra Mundial, a Bulgária adotou um sistema socialista de economia estatizada, baseada no modelo soviético. Houve planos quinquenais, coletivização agrária e desenvolvimento acelerado da indústria pesada. Com isso, o país deixou de ser subdesenvolvido. Mas, apesar do aumento na produção, a partir da década de 1960, como nos demais países socialistas, o crescimento econômico recuou. O modelo econômico persistiu até fins da década de 1980, quando ocorreu o colapso do socialismo e a desintegração do império soviético.
Gruta na Bulgária
  A agricultura búlgara atingiu um grau considerável de mecanização, graças à privatização das propriedades após o fim do socialismo. Criaram-se muitas represas e canais de irrigação. As principais culturas são trigo, cevada, milho, forragens, algodão, tabaco, hortaliças e frutas. É tradição na Bulgária o cultivo industrial de roseiras, utilizando-se as rosas para diversos fins, que vão desde a fabricação de doces até a extração de essências para perfumes.
  A criação de gado, sobretudo ovino e suíno, possui uma grande importância econômica, e a exploração das grandes áreas florestais das zonas montanhosas é intensa.
Cultivo de girassol na Bulgária
  Na costa norte do mar Negro, se extraem petróleo e gás natural, porém, essa extração não é suficiente para abastecer o consumo do país. Com escassez em petróleo e gás natural, a Bulgária importa essas fontes de energia dos países da CEI (Comunidade dos Estados Independentes). O ferro, o cobre, o zinco e outros minerais são explorados em quantidades expressivas. No vale do Maritsa há jazidas de linhita, usada para a obtenção de energia elétrica em centrais térmicas.
Fortaleza Belogradchik - Bulgária
  Com o auxílio do Banco Mundial e os investimentos estrangeiros, o país modernizou sua economia. Graças à concentração dos investimentos no setor secundário, as indústrias siderúrgicas de fertilizantes, cimento, química, mecânica e de papel e celulose, desenvolveram-se consideravelmente
  Após a entrada da Bulgária na União Europeia, o país está recebendo, uma grande ajuda financeira desse bloco, onde esses recursos estão sendo usados para a ampliação e a melhoria das rodovias, ferrovias, aeroportos e sistemas de telecomunicações. Esse dinheiro também se destina ao desenvolvimento da agropecuária associada a projetos de proteção ao meio ambiente e ao investimento em educação e segurança, entre outros fins.
Paisagem rural da Bulgária. Ao fundo, o rio Danúbio
ALGUNS DADOS DA BULGÁRIA
NOME OFICIAL: República da Bulgária
CAPITAL: Sófia
Centro de Sófia - capital da Bulgária
GENTÍLICO: búlgaro
LÍNGUA OFICIAL: búlgaro
GOVERNO: República Parlamentarista
FUNDAÇÃO: 681
Último Estado independente: 1422
Autonomia do Império Otomano: 1878
Unificação com a Romélia Oriental: 1885
Independência reconhecida: 1908
LOCALIZAÇÃO: Leste Europeu (Europa Centro-Oriental)
ÁREA: 110.912 km² (103°)
POPULAÇÃO (ONU - Estimativa 2014): 7.477.200 habitantes (97°)
DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 67,41 hab./km² (102°). Obs: a densidade demográfica, densidade populacional ou população relativa é a medida expressa pela relação entre a população e a superfície de um determinado território.
CIDADES MAIS POPULOSAS (Estimativa 2014)
Sófia: 1.478.545 habitantes
Sófia - capital e maior cidade da Bulgária
Plovdiv: 385.744 habitantes
Plovdiv - segunda maior cidade da Bulgária
Varna: 341.634 habitantes
Varna - terceira maior cidade da Bulgária
PIB (Banco Mundial 2013): US$ 50,806 bilhões (75°). Obs: o PIB (Produto Interno Bruto), representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (quer sejam países, estados ou cidades), durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc.).
IDH (ONU 2014): 0,777 (58°). Obs: o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é uma medida comparativa usada para classificar os países pelo seu grau de desenvolvimento econômico e a qualidade de vida oferecida à população. Este índice é calculado com base em dados econômicos e sociais, variando de 0 (nenhum desenvolvimento humano) a 1 (desenvolvimento humano total). Quanto mais próximo de 1, mais desenvolvido é o país. No cálculo do IDH são computados os seguintes fatores: educação (anos médios de estudos), longevidade (expectativa de vida da população) e PIB per capita. A classificação é feita dividindo os países em quatro grandes grupos: baixo (0,0 a 0,500), médio (0,501 a 0,800), elevado (0,801 a 0,900) e muito elevado (0,901 a 1,0).
Mapa do IDH entre os países
EXPECTATIVA DE VIDA (ONU 2012): 74,5 anos (94°). Obs: a expectativa de vida ou esperança de vida, expressa a probabilidade de tempo de vida média da população. Reflete as condições sanitárias e de saúde de uma população.
CRESCIMENTO VEGETATIVO (ONU 2005-2010): -0,72% (225°). Obs: crescimento vegetativo, crescimento populacional ou crescimento natural, é a diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade de uma determinada população.
TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL (CIA World Factbook 2013): 16,13/mil (119°). Obs: a mortalidade infantil refere-se ao número de crianças que morrem no primeiro ano de vida entre mil nascidas vivas em determinado período, e é contada de menor para maior.
TAXA DE FECUNDIDADE (CIA World Factbook 2014): 1,44 filhos/mulher (200°). Obs: essa taxa refere-se ao número médio de filhos que a mulher teria do início até o fim do seu período reprodutivo (15 a 49 anos), e é contada de maior para menor.
TAXA DE ALFABETIZAÇÃO (CIA World Factbook 2014): 98,4% (60°). Obs: essa taxa refere-se a todas as pessoas com 15 anos ou mais que sabem ler e escrever.
TAXA DE URBANIZAÇÃO (CIA World Factbook 2005-2010): 71% (56°). Obs: essa taxa refere-se a porcentagem da população que mora nas cidades em relação à população total.
PIB PER CAPITA (FMI 2013): US$ 7.328 (77°). Obs: o PIB per capita ou renda per capita é o Produto Interno Bruto (PIB) de um determinado território dividido por sua população. É o valor que cada habitante receberia se toda a renda fosse distribuída igualmente entre todos.
MOEDA: Lev Búlgaro
RELIGIÃO: cristãos ortodoxos (82,4%), islâmicos (12,2%), protestantes (0,8%), católicos (0,5%), sem religião ou ateus (4,1%).
DIVISÃO: a Bulgária encontra-se dividida em 28 províncias: 1. Blagoevgrad 2. Burgas 3. Dobrich 4. Gabrovo 5. Khaskovo 6. Kurdzhali 7. Kyustendil 8. Lovech 9. Montana 10. Pazardzhik 11. Pernik 12. Pleven 13. Plovdiv 14. Razgrad 15. Ruse 16. Shumen 17. Silistra 18. Sliven 19. Smolyan 20. Sófia (cidade) 21. Sófia (distrito) 22. Stara Zagora 23. Turgovishte 24. Varna 25. Veliko Turnovo 26. Vidin 27. Vratsa 28. Yambol.
Mapa da divisão da Bulgária
FONTE: Projeto Araribá: geografia: editor responsável Fernando Carlo Vedovate. 3. ed. - São Paulo: Moderna, 2010.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

OS MANGUEZAIS: BERÇO DA VIDA MARINHA

   O mangue é típico de áreas pantanosas ou permanentemente alagadas, como aquelas localizadas junto à foz de rios ou lagunas nas reentrâncias da costa litorânea. Em termos fisionômicos, ele é marcado pela existência de associações vegetais - predominantemente de natureza arbórea e arbustiva -, cuja diversidade e composição variam em função de uma série de aspectos, dentre eles, os vinculados às condições climáticas e dos solos em que ele se desenvolve. Os mangues são fundamentais para a fauna marinha. Neles vivem peixes, crustáceos, ostras, caranguejos, entre outros animais. Dos mangues, milhares de pessoas retiram o seu alimento, e os pescadores, a sua sobrevivência.
Manguezal em Macaraípe - PE
  A vegetação de mangue é constituída por arbustos cujas raízes estão acima do nível das águas (raízes aéreas), chamadas pneumatóforos ou raízes respiratórias, com predominância de vegetais halófilos, adaptados ao solo salino e à deficiência de oxigênio. O solo onde ela se desenvolve é rico em nutrientes e matéria orgânica, graças ao grande número de matéria em decomposição, como algas, folhas e restos de animais. As árvores que compõem os manguezais podem chegar a até 20 metros de altura.
  O Brasil possui a maior faixa de manguezal do planeta, com cerca de 20 mil km², que se estende desde o norte (Cabo Orange - Amapá) até o sul do país (Laguna - Santa Catarina). Os manguezais também são encontrados na Oceania, África, Ásia e outros países da América.
Em verde, as áreas de mangue no mundo
  As maiores extensões de manguezais da costa brasileira ocorrem entre a desembocadura do rio Oiapoque, no extremo norte, e o Golfão Maranhense, formando uma barreira entre o mar, os campos alagados e a terra firme. Do sudeste maranhense até o Espírito Santo, os mangues são reduzidos e estão associados a lagunas, baías e estuários.
  Na Baía da Guanabara, no Rio de Janeiro, esse ecossistema apresenta grande extensão, apesar do intenso processo de degradação que sofre. O Complexo Estuarino-Lagunar de Iguape-Cananéia e Paranaguá, situados entre os estados de São Paulo e Paraná, representa uma das reservas de mangues mais importantes do país.
Manguezal em Vigia - PA
  Os manguezais são considerados pelos biólogos verdadeiros "berçários" dos oceanos. Neles, a água do mar mistura-se com a água dos rios, o que proporciona um ambiente rico em matéria orgânica e com temperatura ideal para a reprodução de diversas espécies marinhas. Entre elas estão plânctons, caranguejos e vários tipos de peixe, inclusive algumas espécies de tubarão. Esses seres vivos fazem parte da alimentação de outras centenas de espécies de animais marinhos, que vivem nas águas mais profundas do alto-mar.
  A não preservação dos manguezais pode trazer graves consequências  para a sobrevivência da fauna marinha e comprometer os ecossistemas oceânicos.
Os manguezais são essenciais para a vida marinha
  A exemplo das demais formações vegetais, o mangue tem sido alvo de grande devastação nas últimas décadas pela ação antrópica. Essa interferência do ser humano está vinculada ao processo de exploração de árvores e arbustos existentes nesse domínio para a produção de lenha e carvão, para a criação de camarão em viveiros ou, ainda, para o processo de aterramento, objetivando aproveitar essas áreas economicamente, principalmente pela especulação imobiliária. Essa destruição é considerada pelos ambientalistas um grande desastre ecológico.
  A exploração comercial do manguezal começou na Ásia, se expandindo para os outros países de clima tropical e subtropical e se tornando uma das principais ameaças para esse ecossistema. Na Tailândia, mais da metade da área de mangue foi destruída por causa da superexploração.
Mangues na Tailândia
  No Brasil, a Lei 4.771, de 15 de setembro de 1965, estabelece o manguezal como Área de Preservação Permanente (APP), e a Resolução CONAMA N° 369, de 28 de março de 2006, estabelece que as áreas de mangue não podem sofrer supressão de sua vegetação ou qualquer tipo de intervenção, salvo em casos de utilidade pública. Mesmo assim, o manguezal é o ecossistema mais ameaçado.
  Os piores inimigos dos manguezais brasileiros, além da superexploração dos seus recursos naturais, são a poluição lançadas pelas cidades costeiras e indústrias e os derramamentos de petróleo.
Atualmente, grande parte dos manguezais viraram depósitos de lixo
  Muitas espécies de animais, inclusive tubarões, utilizam áreas de mangue, assim como estuário, para a procriação. Quando tais áreas são destruídas, essas espécies precisam procurar outros lugares para se reproduzir.
  O Porto de Suape foi construído próximo a Recife, no litoral de Pernambuco, e começou a operar em 1992. Para viabilizar a obra, uma grande área de mangue foi destruída, assim como os estuários dos rios daquela região. Isso gerou um enorme impacto no ecossistema marinho e as espécies de tubarão que ali procriavam tiveram de se deslocar para outras áreas.
  A construção do Porto de Suape e sua movimentação são apontadas hoje como as principais causas de ataques de tubarões a surfistas e banhistas nas praias da região. Para evitar os ataques é realizado, atualmente, um trabalho de conscientização das pessoas que utilizam as praias, por meio de placas.
Porto de Suape, entre os municípios de Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho - construído em área que antes era ocupada pelo mangue
A carcinicultura ameaça os mangues do Rio Grande do Norte
  A criação de camarão em cativeiro no Rio Grande do Norte está diretamente associado à destruição dos mangues. A carcinicultura ameaça a fonte de sobrevivência e a cultura de milhares de pessoas que habitam tradicionalmente as regiões de mangue, como: pescadores, marisqueiras, índios e pequenos agricultores.
  A atividade no Estado teve início em 1973 com a criação do Projeto Camarão. Inicialmente, a proposta era de produção de espécies nativas, como ocorreu em outros estados do Nordeste nas décadas de 1970 e 1980, mas foi a introdução do camarão da costa do Pacífico (Litopenaeus vannamei), na década de 1990, que fez com que a carcinicultura se tornasse bastante rentável, e é uma das atividades comerciais que mais crescem no Nordeste. Essa região é responsável por cerca de 92% da produção nacional, sendo que os maiores produtores são o Rio Grande do Norte, Ceará, Bahia, Pernambuco, Paraíba e Piauí.
Viveiro de camarão próximo à praia da Redinha, em Natal - RN
  A criação de camarão em cativeiros utiliza bastante produtos químicos, principalmente cloro, calcário, ureia, silicato e superfosfato. A função desses produtos é controlar as propriedades químicas da água e do solo (PH, alcalinidade, material em suspensão e salinidade).
  A carcinicultura no Rio Grande do Norte se desenvolve, principalmente, em sete estuários do litoral potiguar com características distintas: Apodi-Mossoró, Piranhas-Açu, Galinhos-Guamaré, Ceará-Mirim, Potengi, Guaraíras e Cunhaú-Curimataú. Nestes estuários, a expansão da carcinicultura se deu em parte pela substituição das salinas por áreas ocupadas por viveiros para a criação de camarão. Em outros casos, a carcinicultura ocupou antigas e abandonadas áreas que eram ocupadas por salinas. Em parte destas áreas, o manguezal estava em franca recuperação. Quando houve a implantação dos tanques, de camarão, ocorreu a eliminação do manguezal em desenvolvimento.
Criação de camarão em Barra do Cunhaú, Canguaretama - RN
  Os mangues são os preferidos dos carcinicultores porque oferecem baixo custo, água farta e movimento da maré, que reduz os gastos com bombeamento de água para dentro dos tanques. O grande problema dessa atividade é a ocupação de extensas áreas de preservação permanente (APPs).
  A destruição dos mangues para originar áreas produtoras de camarão, preocupam a sociedade e todos os órgãos envolvidos com o meio ambiente no Estado, pela importância desse ecossistema múltiplo, pois viabiliza a reprodução de várias espécies de peixes e crustáceos, atua como um filtro, despoluindo as águas dos rios, exercendo ainda uma função social importante, já que centenas de famílias sobrevivem da pesca do caranguejo nos diversos manguezais do Estado.
Viveiros de camarão em área de mangue, em Natal - RN
Fauna
  A biodiversidade dos manguezais se traduz em significativa fonte de alimentos para as populações humanas. Nesse ecossistema se alimentam e reproduzem mamíferos, aves, peixes, moluscos e crustáceos, entendidos os recursos pesqueiros como indispensáveis à subsistência tradicional das populações das zonas costeiras. Entre essas espécies destacam-se:
  • Aves - bem-te-vi, carcará, colheireiro, garça, guará-vermelho, martim-pescador, socó-dorminhoco, gavião-carijó, gavião-carrapateiro, tucano, entre outros.
Garça (Ardea alba)
  • Mamíferos - mão-pelada, peixe-boi-marinho, sagui, ariranha, entre outros.
  • Répteis - crocodilo, cobra, jacaré-de-papo-amarelo, lagarto, tartaruga, entre outros.
  • Peixes - lambari, garoupa, manjuba, robalo, sardinha, tubarão-cabeça-chata, entre outros.
  • Invertebrados - aranha, berbigão, camarão, caranguejo, aratu, goiamum, chama-maré, craca, lagosta, mariposa, mexilhão, minhoca, mosca, mosquito, siri, entre outros.
Aratu-vermelho (Goniopsis cruentata)
Flora
  Em virtude do solo salino e da deficiência de oxigênio, nos manguezais predominam os vegetais halófilos, em formações de vegetais litorânea ou formações lodosas. As suas longas raízes permitem a sustentação das árvores no solo lodoso.
  Ao contrário de outras floresta, a flora dos manguezais é bastante pobre, com destaque para os mangues.
  As principais espécies de mangue são:
  • Rhizophora mangle (mangue-vermelho) - também conhecido como sapateiro, é uma espécie típica de manguezal. O nome da árvore é assim dado pois, quando sua casca é raspada, apresenta uma coloração avermelhada típica da espécie. A respiração da planta é feita através de rizóforos, que também auxiliam a sua sustentação. Neste tipo de raízes (pneumatóforas), há estruturas especiais (lenticelas), cuja função é a respiração. A espécie reproduz-se através de sementes (propágulos) que germinam ainda presas à planta-mãe, aumentando as chances da espécie se propagar.
Mangue-vermelho (Rhizophora mangle)
  • Laguncularia racemosa (mangue branco) - também conhecido como mangue manso e mangue tinteiro é uma árvore pioneira nativa e típica do manguezal brasileiro, encontrada no interior do mangue e na transição para a floresta de restinga. A árvore chega a 18 metros de altura, seu tronco é áspero e fissurado. As raízes têm geotropismo negativo e portam pneumatóforos, para oxigenar os tecidos no solo alagado. Apresentam lenticelas, que também permitem a troca de gases entre a planta e o meio externo.
Mangue-branco (Laguncularia racemosa)
  • Conocarpus erectus (mangue-de-botão) - também chamado de mangue-de-bola, mangue-de-bolota, mangue-ratinho, genipapinho e mangue-saragoça, é bastante lenhoso, com casca vermelho-escura, cinzenta ou acastanhada, possui folhas verde-amarelas e flores em forma de bola. Ocorrem em áreas de transição, arenosas e bem longe das marés.

Mangue-de-botão (Conacarpus erectus)
  • Avicennia schaueriana (mangue-preto) - fica um pouco mais afastado das marés fortes, suportando uma média de quantidades de sal. As folhas são arredondadas com face inferior esbranquiçadas, e as flores são pequenas com pétalas brancas. Sua casca é lisa castanho-claro, que quando raspada mostra cor amarelada. As raízes são radias que crescem abaixo da superfície. Dessas raízes podem crescer os pneumatóforos retos.
Mangue-preto ou canoé (Avicennia schaueriana)
FONTE: Geografia espaço e vivência: introdução à ciência geográfica, 6º ano / Levon Boligian ... [et al.]. - 4. ed. - São Paulo: Saraiva, 2012.