ALDANN CONSTRUÇÕES

ALDANN CONSTRUÇÕES
TEL: (84) 4008-3800

sábado, 15 de abril de 2017

O CULTIVO DE COCA NA AMÉRICA LATINA

  Coca (do quíchua kuka) é uma planta da família Erythroxylaceae, seu nome científico é Erythroxylum cocaA coca é uma planta nativa da região dos Andes. Considerada sagrada para os povos andinos, era utilizada em antigos rituais pré-colombianos. Por ser comestível, a coca também é utilizada para combater o mal-estar causada por grandes altitudes e tem usos cosméticos e medicinais. O cultivo do arbusto de coca nos Andes é muito antigo. Segundo os povos nativos, mascar folhas de coca potencializa as energias para enfrentar o desgaste provocado pela altitude. Atualmente, em alguns países da América Latina, principalmente Bolívia, Colômbia e Peru, é possível encontrar lavouras de coca em várias propriedades agrícolas.
  Porém, o cultivo da coca passou a ter maior interesse comercial para determinados grupos (guerrilheiros e narcotraficantes) que utilizam suas folhas para a produção da pasta base de cocaína, uma droga de consumo proibido na maioria dos países do mundo.
  Com isso, muitos pequenos proprietários foram, então, estimulados a plantar coca, deixando de cultivar produtos tradicionalmente comerciais, como frutas, cereais e cana-de-açúcar, e passaram a sobreviver do cultivo de coca, já que seu comércio é mais rentável.
Produção de coca na Bolívia
  A folha de coca apresenta em sua composição uma quantidade muito pequena de cocaína, substância tóxica que atualmente é uma das drogas mais difundidas no mundo, especialmente na América e na Europa.
  Nas últimas décadas, a produção dessa folha tem sido cada vez mais voltada para a obtenção da pasta de coca, que, depois de refinada, é transformada em cocaína. Isso ocorre principalmente na Colômbia, o maior produtor mundial dessa droga. Desse país, a cocaína é escoada por várias rotas e levada aos centros de distribuição e consumo no mundo.
  A partir da década de 1980, grande parte da produção de coca, na Colômbia, passou a ser controlada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o que contribuiu para intensificar a exploração do narcotráfico.
Mapa da produção de coca na Colômbia
  O governo dos Estados Unidos, maior consumidor mundial de cocaína, tem pressionado a Bolívia, o Peru e a Colômbia a adotar uma série de medidas para deter a produção e comercialização dessa droga. Essa pressão está ocorrendo porque os Estados Unidos querem deter o crescimento do consumo de cocaína no país. Isso tem sido tentado por meio da desarticulação do poder dos narcotraficantes nesses países, bem como da oferta ao pequeno agricultor de vantagens, como incentivos fiscais, subsídios para a compra de sementes e insumos, para que ele deixe de cultivar o arbusto de coca.
  Os governos desses países, no entanto, têm encontrado muitas dificuldades para adotar as medidas exigidas pelo governo dos Estados Unidos, apesar de este oferecer-lhes apoio militar e financeiro. Essas dificuldades são resultados dos seguintes fatores:
  • os agricultores não se mostram muito animados em substituir suas plantações de coca por cultivos tradicionais, uma vez que, nas últimas décadas, o preço desses produtos no mercado internacional caiu muito;
  • o poder dos narcotraficantes nesses países é bem maior do que se imaginava, pois grande parte das autoridades desses países foi corrompida por esses grupos;
  • o aumento do consumo de cocaína no mundo, especialmente nas cidades mais ricas dos Estados Unidos e da Europa, funciona como um estímulo ao aumento da produção dessa droga.
Aviões do Exército colombiano lançando herbicida contra plantações de coca na Colômbia
  Na Colômbia, os problemas ainda são maiores, pois nesse país existe uma guerra civil, a qual determina que uma parte do país fique fora do controle político do governo oficial.
  Após quase 50 anos de conflitos entre as Farc e o governo colombiano, ambas as partes começaram a discutir um possível acordo de paz. Nesse acordo, previa-se a substituição dos cultivos ilegais de coca com consentimento e participação dos camponeses.
  Em maio de 2014, Farc e governo firmaram um acordo de parcial. Em 2015, ambas as partes ainda dialogavam um acordo final de paz.
Soldados destruindo plantações de coca na Bolívia
REFERÊNCIA: Garcia, Valquíria Pires
Projeto mosaico: geografia: ensino fundamental / Valquíria Pires Garcia, Beluce Bellucci - 1. ed.  - São Paulo: Scipione, 2015
Postar um comentário